Empresária que atropelou mulher na porta de distribuidora é denunciada por homicídio qualificado

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) denunciou a empresária Murielly Alves da Costa pelo homicídio qualificado de Bárbara Angélica Barbosa Silva e tentativa de homicídio contra Kamyla Lima Canedo, em crimes ocorridos no dia 21 de abril deste ano, no Jardim Pompéia, em Goiânia.

Nos dois casos, o MP entendeu que o crime foi triplamente qualificado, por ter sido cometido por motivo fútil, com emprego de meio que resultou perigo comum e mediante recurso que impossibilitou a defesa das vítimas.

Na denúncia, o promotor de Justiça Geibson Rezende relata que um grupo de pessoas estava bebendo na porta da Distribuidora Pirâmide, por volta das 4 horas de 21 de abril, quando Murielly chegou ao local para comprar bebida.

Lá, ela teria provocado clientes e agredido o filho do dono da distribuidora. O MP-GO diz que ela foi contida por outras pessoas. A mulher, então, começou a discutir com as vítimas.

Na sequência, Kamyla teria despejado um copo com cerveja na cabeça da denunciada e atravessado, juntamente com Bárbara, para o outro lado da rua, enquanto Murielly entrou em seu carro, que estava estacionado na esquina do estabelecimento comercial. De acordo com o inquérito policial, a denunciada, então, acelerou o veículo em direção às pessoas que estavam no outro lado da rua, atropelando-as.

Kamyla foi atingida e arremessada contra a porta de um açougue, enquanto Bárbara escapou e tentou tirar as chaves da ignição do carro. Contudo, Murielly conseguiu dar ré e jogou o veículo em direção à Bárbara, que foi atingida e morreu no local. Kamyla foi socorrida e encaminhada para atendimento e sobreviveu. Murielly foi presa em flagrante, depois de fugir do local, tendo seu veículo apreendido para perícia.

“O crime foi cometido em virtude de uma simples discussão banal, sendo possível que a situação fosse contornada por meios civilizados, o que revela futilidade na motivação, caracterizando a banalização da vida alheia”, pontua o promotor na denúncia.