Presidente da Câmara de Aparecida usa plenário para atacar jornalistas

O presidente da Câmara Municipal de Aparecida de Goiânia, André Fortaleza (MDB), usou o plenário da Casa para atacar jornalistas e o trabalho da imprensa que faz a cobertura do Legislativo aparecidense. As falas contra portais de notícias goianos foram proferidas na sessão da última quinta-feira (11). No mesmo dia, o parlamentar também discutiu com um colega vereador.

As críticas do presidente da Câmara ocorreram após matérias jornalísticas que relatavam o encontro dele, junto com grupo de pelo menos 12 vereadores, com a deputada Magda Mofatto (PL), há duas semanas.

Durante a sessão, André Fortaleza criticou a Folha Z e disse que o jornal aparecidense faz matérias “por leitura labial” e taxou o veículo de fazer “matérias tendenciosas”.

“As pessoas quando não tem o que dizer querem denegrir a imagem. Fica aqui meu repúdio a esse veículo de comunicação”, disse.

André Fortaleza ainda citou o Notícias de Goiás e disse que “qualquer um pode pegar um microfone sair na rua e virar jornalista”. Ainda repetiu que as “matérias são tendenciosas”.

Apoio

Com a “entrada” de Magda na Câmara de Aparecida, a Casa Legislativa cindiu em duas: com apoiadores de Magda e do outro lado, com apoiadores de Professor Alcides.

Parlamentares opositores de André Fortaleza apontam que o apoio de Magda por parte dos vereadores deve ser investigada, pois teria “negociações não republicanas”.

Briga com vereadores

Na mesma sessão, o presidente da Câmara ainda bateu boca com o deputado Diony Nery (PSDB), que questionou justamente o apoio dos colegas à deputada federal Magda Mofatto.

“Há um ano a maioria dos vereadores falava bem do Professor Alcides. O que aconteceu de um ano para cá para mudar?”, questionou.

André Fortaleza disse ter apoiado Professor Alcides na eleição passada, mas que não deve satisfações sobre apoios.

“Não tenho que dar satisfação sobre quem vou apoiar. Não dependo do senhor, do Professor Alcides, do Gustavo ou do Tatá”, disse. Logo depois encerrou a sessão.

Essa não é a primeira vez que André Fortaleza se desentende com vereadores. As sessões da Câmara são marcadas por discursos em que colegas fazem críticas ao presidente do Legislativo aparecidense. O ápice foi o corte de microfone de Camila Rosa (PSD), em fevereiro, que gerou inquérito na Polícia Civil por violência de gênero na política e que deve ser judicializado.