Jovem foge de motorista de aplicativo após ficar tonta com ‘cheiro estranho’ em São Paulo

Uma jovem de 21 anos afirma que um motorista de aplicativo tentou dopá-la durante uma corrida, em Santos, no litoral de São Paulo. A vítima conta que, durante o trajeto, o condutor perguntou diversas vezes se ela sentia algum “cheiro estranho” e pouco tempo depois começou a se sentir tonta. Assustada, ela saltou do veículo. Um boletim de ocorrência eletrônico foi registrado.

“Tive a sorte dele ter parado no sinal vermelho e abri a porta, sai correndo e nem olhei para trás”, contou a jovem.

O caso ocorreu no último dia 18, pouco tempo após a jovem ter entrado no veículo, por volta de 18h40. Ela estava a caminho de um hospital da cidade para encontrar sua avó.

“Ele estava com as janelas fechadas e, depois de um tempo, me perguntou se eu estava sentindo algum cheiro diferente, algum cheiro estranho. Eu realmente não estava sentindo nada, mas ele continuou insistindo no cheiro e perguntou se eu tinha certeza se não sentia nada. Ele disse que tinha comprado ‘algo’ com um cara. Depois disso eu comecei a ficar tonta”, contou.

A jovem relata que não se lembra do rosto do motorista, então não tem como confirmar se é o mesmo da foto de identificação no aplicativo.

Por meio de nota, a Uber disse que “trata todas as denúncias com a máxima seriedade e avalia cada caso individualmente para tomar as medidas cabíveis”.

Confira o posicionamento da Uber na íntegra:

“A Uber trata todas as denúncias com a máxima seriedade e avalia cada caso individualmente para tomar as medidas cabíveis. A empresa permanece com seu canal de ajuda sempre aberto para oferecer suporte e receber denúncias pelo aplicativo e informa que segue à disposição das autoridades para colaborar com as investigações, na forma da lei.

De qualquer forma, a única denúncia dessa natureza relativa a viagens no aplicativo da Uber que já teve a investigação concluída pela Polícia, até onde temos conhecimento, ocorreu em Canoas (RS) e o caso foi encerrado após o inquérito policial, já que, de acordo com as autoridades, não houve elementos de prática de crime”.