Criança retrata abuso sexual em desenho na escola e suspeito é preso, em Itumbiara (GO)

A Polícia Civil prendeu, na manhã desta segunda-feira (6), um homem investigado por estupro de vulnerável contra uma criança, em Itumbiara, no Sul de Goiás. Caso foi descoberto depois que a vítima retratou os crimes em um desenho na escola, que fez com que professoras denunciassem estupro na delegacia da cidade.

De acordo com a polícia, com o objetivo de proteger a identidade de vítima, os investigadores não vão detalhar nem o sexo, nem idade e nem a proximidade da criança com o suspeito.

Segundo as investigações, o crime foi descoberto após a criança pintar um desenho feito em sala de aula, onde retratava o abuso sexual que sofria. Durante a atividade, a vítima desenhou um homem saindo do quarto de sua companheira e se dirigindo até o seu, retratando que era abusada sexualmente na residência da família.

As professoras da criança procuraram o conselho tutelar desta cidade, ocasião em que os fatos foram registrados na delegacia de polícia.

Importante enfatizar que a atividade aplicada na escola visou a conscientização quanto ao combate de crimes sexuais contra menores e foi aplicada em todas as escolas públicas do município no mês de maio. De acordo com a polícia, se trata de uma ferramenta importante no combate dessas formas de exploração sexual e que foi conduzida com excelência pela equipe dos profissionais da educação infanto-juvenil de Itumbiara.

Homem é preso após criança retratar estupro em desenho escolar

Após o registro dos fatos na delegacia e com a coleta inicial das provas, os agentes civis pediram pela prisão preventiva do suspeito, justificando a aplicação da medida para garantir a ordem pública, a conveniência da instrução criminal e a aplicação da lei penal.

Com o mandado de prisão em mãos, os policiais civis passaram a monitorar os passos do homem e descobriram, na manhã desta segunda (06), onde ele estava. Com isso, conseguiram prendê-lo.

Uma vez autuado, o investigado foi recolhido ao presídio de Itumbiara onde permanecerá à disposição da justiça. O Mais Goiás não conseguiu contato com a defesa dele.