Comurg registra 289 quedas de árvores em Goiânia nos últimos 25 dias

Em Goiânia, houve 289 quedas de árvores registradas nos últimos 25 dias. Somente durante a forte tempestade que caiu entre a tarde do último domingo (26) e manhã da segunda-feira (27), foram 41 e 21 galhos. Os dados são da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg).

O Mais Goiás mostrou que uma dessas quedas interditou a Rua 90, nas proximidades do Parque Areião. Após a chuva e os fortes ventos, que chegaram a 50 quilômetros por hora (km/h), na capital, a planta cedeu, derrubou o gradil e atingiu um quiosque de venda de água de coco. Felizmente ninguém ficou ferido.

Segundo levantamento da Agência Municipal de Meio Ambiente (AMMA), as espécies mais frágeis, não indicadas para plantio, e com mais registro de quedas em Goiânia são as Sibipirunas e Mungubas, pois são árvores mais antigas da época da fundação da capital. Desta maneira, regiões com a arborização mais velha precisam dar a atenção maior a saúde fitossanitárias das árvores e realizar a substituição.

concreto, o que impede que ela seja resistente durante as tempestades. A AMMA alerta que é preciso que o solo tenha a abertura mínima de 60 cm² para se tornar permeável para que suas raízes se desenvolva de forma correta se firmando melhor no solo.

Reparação

A Prefeitura de Goiânia realiza vistorias técnicas que averiguam a situação fitossanitária das árvores para a retirada preventiva ou poda, caso haja o comprometimento da mesma, causando riscos de queda.

De janeiro a setembro deste ano, 1.113 mudas foram solicitadas por meio do WhatsApp do Disque-Árvore (62 9 9639-7495) e plantadas com orientação técnica pela Amma, sem custos ao morador.“Estima-se ainda que 23 árvores são plantadas em Goiânia para cada árvore retirada, após condenação fitossanitária. Isso é o que revelam os dados de retirada de árvores, em comparação, com os dados de plantio da Capital. É importante frisar que o aumento no plantio de mudas acontece principalmente no período chuvoso”, pontua a AMMA.